Translate

sábado, 27 de fevereiro de 2010

CONHEÇA A IGREJA CRISTÃ IBERO-AMERICANA

Se você procura uma igreja realmente cristã, verdadeiramente evangélica e essencialmente bíblica e não encontra uma perto de sua casa, venha conhecer a Igreja Cristã Ibero-Americana – Mas venha pra fazer parte de nossa comunidade!
Cansou das mensagenzinhas “mamão-com-açucar”, desprovidas de conteúdo teológico e sem fidelidade ao Texto Sagrado?
Desisitiu das promessas “neobestecostais” do tipo “receba a chave do carro zero, mas pague as 60 prestações em dia”; ou “receba a unção da perereca”; ou ainda “Deus não quer que você seja empregado, mas patrão?
Frustrou-se com as famigeradas e bizarras campanhas, correntes, água benta, rosa ungida, fogueiras místicas e tolhinhas sujas de suor?
Já não agüenta mais as liturgias “fúnebres”, descontextualizadas e maçantes?

Então, tá esperando o quê? Vem pra Ibero (é assim que chamamos carinhosamente nossa igreja). O acesso é fácil tanto de carro, quanto de ônibus.
Pra quem vem de carro, deve pegar a Av. Aricanduva sentido Bairro e chegar até a Avenida Mateo Bei (Av. principal), depois basta seguir o mapa abaixo. Pra quem vem de ônibus, deverá descer na Avenida Mateo Bei e pegar a linha Residencial Santa Bárbara e pedir para saltar no ponto do Escola Estadual José Maria Whitaker (este ônibus sai da Estação Carrão do Metrô e é uma ótima opção para quem usa este meio de transporte).


Exibir mapa ampliado

sexta-feira, 26 de fevereiro de 2010

NOTA DE FALECIMENTO

Faleceu ontem, por volta das 20hs, o pai do Missionário Ângelo.
O velório acontece no cemitério de Mogi das Cruzes e o enterro será às 16hs.
A Igreja Cristã Ibero-Americana manifesta os votos de pesar ao nosso querido irmão, familiares e amigos.
Aos que desejarem deixar uma palavra de conforto, basta clicar no link "comentários" abaixo, ou no envelopinho ao lado.

"Ainda que eu andasse pelo vale da sombra da morte, não temeria mal algum, porque tu estás comigo; a tua vara e o teu cajado me consolam." - Salmo 23.4

SILAS MALAFAIA DEBATE PL 122 E HOMOSSEXUALISMO - PARTE 1

SILAS MALAFAIA DEBATE PL 122 E HOMOSSEXUALISMO - PARTE 2

SILAS MALAFAIA DEBATE PL 122 E HOMOSSEXUALISMO - PARTE 3

quinta-feira, 25 de fevereiro de 2010

CRESCIMENTO OU INCHAÇO?

A igreja brasileira tem crescido absurdamente nas últimas décadas.
O problema é que este crescimento é doentio em muitos aspectos, não é de todo saudável. Cresce em número, mas não cresce em discipulado; cresce em templos, mas não cresce em missões; cresce em em ganho político, mas não cresce em credibilidade e penetração social; cresce em riquezas, mas não cresce no preparo adequado dos líderes.
Há quem fique de boca aberta ao ver um certo "apóstolo" com jeitão de caipira juntar multidões disputando cada gota de seu suor ou comprar uma garrafinha de água mineral fajutamente "ungida" e superfaturada. Mas, aquela multidão não representa numa mínima fração o que é fé bíblica, nem aquele homem representa o que é ministério bíblico. Logo, a conclusão óbvia, é que não deveríamos contabilizar este e outros tipos de movimentos como crescimento da igreja evangélica, visto que nem uma coisa nem outra é evangélica!
Há quem celebre a "conversão" de pessoas de projeção nos meios artísticos, esportivos e da alta sociedade. Entretanto, não tenho visto muitas destas figuras impactarem de maneira substancial e convincente com seus testemunhos - me perdoem o sarcasmo mas, se a igreja brasileira dependesse do testemunho de alguns artistas que se dizem evangélicos estaríamos no fundo do poço!
Há quem celebre a presença maciça de evangélicos no cenário político, ocupando cargos e posições até mesmo nos governos municipais, estaduais e federal. Mas, muito mais são os que se destacam pelas suas perversões e oportunismo em fazer uso dos tais cargos ou posições para se enriquecerem, do que os que têm alguma bandeira que atenda ao próximo ou que glorifique a Deus - depois daquele sujeito orando após a trama da propina a gente nem precisa falar muito.
Há quem celebre o grande boom da música gospel surgindo no cenário multicultural brasileiro como mais uma alternativa para o entretenimento, mas prefiro aquelas que levavam o povo ao quebrantamento e arrependimento - a badalação "Faz um milagre em mim", me perdoem os mais afoitos, não faz nem mais cócegas, o que dirá milagre!
Há quem celebre as construções dos caríssimos, grandes e luxuosos templos evangélicos, com suas exuberantes fachadas e marquises. Entretanto, lamento que o chamado povo de Deus repita a história edificando grandes "elefantes brancos" que na melhor das hipóteses ficarão para a posteridade como patrimônios tombados, como marcos da engenharia e arquitetura de uma época passada. Boa parte destes templos são a manifestação das vaidades e egos de seus idealizadores, que os constroem para disputar entre si quem constrói o maior, melhor, mais moderno e mais equipado templo, sem a mínima preocupação se aquele lugar terá alguma utilidade ou relevância social.
Há quem celebre um despertamento na igreja por que surgem novos movimentos (muitos deles têm mais de tormento do que de movimento). Mal a gente se recupera do furacão G-12, que varreu igrejas inteiras e deixou marcas indeléveis em muitos pastores; que confundiu e destruiu a fé de muitos crentes; que dividiu a ponto de fechar igrejas em todo o país, e logo vem outro mais forte e mais perigoso. Melhor seria a essa febre de movimento desse lugar à solidez e firmeza na Rocha que é Cristo, onde não somos arrastados e nem abalados por ondas ou movimentos!

Fui a um determinado país recentemente e disseram que alguém estava me esperando em uma das visitas para perguntar sobre o grande crescimento da igreja evangélica brasileira. Pensei muito antes de frustrar a euforia daquela pessoa, mas fui obrigado a dizer pra ela que aquilo que para muita gente parece crescimento, pode ser apenas inchaço!

- pr Aécio -

quarta-feira, 24 de fevereiro de 2010

MUITA FÉ, FÉ DEMAIS

Ainda era novinho convertido quando passei a observar as “novas modalidade de fé” (fé no sentido expressão) que aos poucos surgiam no cenário evangélico brasileiro. Obviamente, ainda não tinha nenhum senso crítico ou conhecimento bíblico suficientes para analisar, criticar ou mesmo emitir opiniões bem elaboradas, convictas acerca do assunto. No entanto, meu “desconfiômetro” - que sempre funcionou muito bem, obrigado! – dizia que o negócio não cheirava muito bem e que teríamos sérios problemas com as tais das campanhas, correntes e com o preocupante lixo evangélico formado pelos patuás e amuletos supostamente criados com base em figuras, textos e símbolos bíblicos (rosa, sal, óleo, cajado, trombeta, arca, etc.).
Já se passaram mais de vinte anos e “Aécio tinha razão...”! O negócio fede e está piorando!
Hoje pastor, mas procurando conservar a duras penas e com muito esforço o que considero ser o fio que me mantém preso ao compromisso moral e espiritual da vida cristã: a simplicidade do Evangelho de Jesus Cristo.
Disse a duras penas, pois pensar diferente e protestar contra o que os hiper pregadores dos hipermercados da fé pregam é ser taxado de intolerante, grosseiro ou alguém que não tem amor pelos irmãos!
Para se ter uma idéia, a irracionalização (lembre-se que já foi dito que “fé sem razão é superstição”) e a alienação a que muitos de nossos irmãos são submetidos por certos pregadores chega às raias da loucura, da insanidade! Coisas que só poderiam ser explicadas se comparadas ao fanatismo típicos de religiões e seitas extremistas, estão sendo observadas no meio evangélico, e crescendo a passos largos!
Veja, por exemplo, a catarse e o poder hipnótico provocados por pregadores messiânicos, cantores e bandas gospel, além de outras figuras conhecidas entre nós. Perceba que os que eles falam é lei e o que fazem se torna regra, padrão!
Observe também os novos movimentos iniciados sob a mais variadas alegações, bandeiras e clamores por pseudo reformas, alavancados por homens e mulheres vaidosos, rebeldes e megalomaníacos – são cegos, guiando outros cegos.

Como é fácil enganar um crente hoje em dia! Basta colocar um galão de água mineral de águas nas costas e subir um morro para obter a admiração e a credibilidade de pessoas das mais diferentes classes sociais e níveis culturais. Basta ficar rico às custas da manipulação das massas e do empresariamento da crença alheia, alegando que isto é fruto da prosperidade divina para obter o grau de bispo, apóstolo, etc. Basta inventar uma teologia nova, baseada em textos fora do contexto e sair por aí repleto de pretextos, berrando aos quatro ventos o que a Bíblia jamais disse, o que Deus nunca prometeu e o que Jesus jamais idealizou para Sua Igreja!
Como é fácil ludibriar um irmãozinho na fé. Solte a voz, cante um “mantra” gospel nas mais altas notas musicais, repita várias vezes o mesmo refrão e terás um admirador fanático, um fã ardoroso! Aliás, pra que se preocupar com santidade, se o que vale hoje em dia é a imagem, a voz e a performance diante das câmeras?!
Como é fácil convencer uma pessoa a adquirir um carnezinho “sagrado” (profano até o último) para manter programas no ar que mais causam polêmicas, dúvidas, escândalos e ridicularização ao Evangelho!
Como é fácil olhar para os milhões e milhões de crentes espalhados por todo nosso país, que abarrotam os templos faraônicos e dizer: “É um avivamento!”. Mesmo sabendo que aqueles templos são muitas vezes erigidos com o mesmo espírito do Nabucodonozor * e que uma parte considerável daquelas pessoas não estão ali atraídas por uma vida de santidade, ou em busca de um compromisso com o discipulado e muito menos desejosas por uma vida de entrega e serviço cristãos: Eles querem a benção... O Abençoador só não serve!

Finalmente, há poucas décadas nosso país tinha poucos crentes, logo, a fé evangélica não possuía tanta expressividade. Hoje, para muitos, o Brasil pode estar vivendo uma explosão de fé. Concordo e celebro com restrições. Queira Deus que possamos encontrar um ponto de equilíbrio. Nem pouca fé, nem muita fé, nem fé demais... Apenas fé! É o suficiente!

*(Leia Daniel 4.30)

- pr Aécio

MOTIVAÇÃO: QUAL É A SUA?

Fala-se muito em motivação em nossos dias. Este é um tema “bola da vez” nas empresas, nas escolas, e até nas igrejas e em todos os demais ambientes onde a presença e a força tarefa das pessoas é matéria-prima indispensável. Pessoas desmotivadas tendem a produzir pouco, a se relacionar mal, etc.
Existem empresas que investem pesado em cursos e outros eventos, além de usar artifícios como prêmios extras para manter seus funcionários “pra cima” – o que chamo de "estratégia MacDonald's", aquela em que a foto do funcionário do mês fica exposta próxima ao balcão pra todo mundo ver. Assim, através de estímulos motivacionais, espera-se que a produtividade e o ambiente se mantenham equilibrados e saudáveis.

Mas, o que deve motivar o crente? Cursos? Foto no hall de entrada da igreja? Por que existem tantos crentes desmotivados e apáticos?
Sei que o tema merece uma atenção e consideração mais aprofundadas, porém, no momento quero lançar apenas uma proposta para a reflexão de cada um dos que lerem esta mensagem, no sentido de resgatarmos em nossa experiência cristã a não necessidade de exercermos nossa fé em função dos aspectos exteriores ou aparentes, mas sim dos interiores e invisíveis. Em outras palavras e, ainda que isto pareça pragmático, se visto apenas sob o aspecto humano, devemos levar em conta que o mais importante, e o que realmente deve nos mover, não é aquilo que está diante de nós, mas o que está dentro de nós!
Se o ambiente em que estamos inseridos e as variações do mundo que nos cerca nos convencem o tempo todo a fazer ou deixar de fazer isto ou aquilo outro, que fé é esta?
Dias atrás, ministrando em uma vigília, disse que tenho tido muitas “visões” de olhos abertos (bem abertos). Vejo cristãos derrapando em picuinhas; andando de marcha à ré na vocação ministerial; escorregando em questiúnculas e “viajando na maionese” dos dilemas corriqueiros. Grande parte destes sofre o que está sofrendo simplesmente por que creditam toda a expectativa de suas motivações nos aspectos aparentes, então, continuam escorregando, andando de marcha à ré e “viajando na maionese”.
Infelizmente, há ministros evangélicos especialistas em inculcar na mente de seus seguidores a idéia de que quanto mais dinheiro, carros, casas e viagens, mais as pessoas se sentem realizadas e felizes – conseqüentemente motivadas, certo? Errado!
Bem, primeiro que detesto estes mentirosos, depois suas mensagens são um lixo e por último precisamos considerar que há uma infinidade de pessoas ricas infelizes; existem colecionadores de carros amargurados; não é difícil encontrar um morador de condomínio de luxo depressivo e muitos viajam para a Europa levando dentro de si seus “infernos” particulares.

Como o secularismo tomou conta e impregnou (leia-se envenenou) até mesmos muitos pregadores modernos, e tem moldado a mente dos crentes deste século, sei que vai dar um pouco de trabalho engolir o que vou escrever em seguida, mas arrisco dizendo que em matéria de vida cristã, nossa motivação constante deve resultar do conhecimento de Deus e de Sua Palavra; de vida cheia do Espírito Santo; de fé genuína; de nosso testemunho autêntico e de nosso serviço para o Reino. O que passa disto é mera especulação!

- pr Aécio -

segunda-feira, 22 de fevereiro de 2010

“SUA MENSAGEM FOI COMO UMA ESPADA”

“Se a informação é de graça, qual o valor do conhecimento?”. Esta frase utilizada em um comercial no ano passado, fala muito utilizando poucas palavras. Traduzi ela assim: Se há tantas maneiras de aprender, porque continuamos ignorantes? Faço-me esta pergunta constantemente. Quando olho para muitos crentes e principalmente obreiros hoje, tenho vergonha de pertencer à classe. Não quero com isso que você meu amado irmão(ã) fique com raiva ou se ofenda por causa do que estou escrevendo. Simplesmente porque não há justificativa que possamos lançar mão para nos livrarmos do fato de que somos preguiçosos para estudar.

Tudo bem, podemos dar um desconto porque moramos em um país que não investe em educação, muito menos em preparo dos professores. Mas não é desculpa para nós, que somos obreiros do Senhor. Que muitas vezes nos utilizamos da Sua Palavra para falar em nome Dele. Se formos enumerar quantas pregações já ouvimos, aulas, palestras, congressos que nos foram ministrados, em que o palestrante não teve a menor preocupação ou intimidade com o texto, perderíamos a conta. E não estou me referindo a conhecimento profundo, de hermenêutica, exegese de textos originais, nada disso. Apenas uma rápida leitura do contexto (o que se aprende em Escola Dominical) já o deixaria constrangido, quando não mudaria totalmente o significado do que está se falando.

É lamentável que ainda hoje ouvimos de obreiros a seguinte frase: eu não gosto de ler; ou não tenho paciência pra ficar estudando. Ah, se os obreiros do início tivessem o privilégio que temos hoje de freqüentar um seminário ou ainda por mais simples que seja, uma Escola Dominical. Se tivessem tido o acesso que temos hoje a programas multimídia; Bíblias que fazem do pregador um mero microfone - porque a mensagem já está toda impressa – teriam influenciado gerações e gerações além do que já fizeram.

A frieza de muitos obreiros com relação à Escola Dominical é prejudicial a eles mesmos. Muitos não se envolvem porque desconhecem o papel que ela desempenha dentro da igreja, e com isso, ficam impedidos de crescer junto com a mesma.
Só para efeito de didática, a Escola Dominical: É uma ferramenta de evangelização e discipulado; lugar de integração e comunhão; instrumento para crescimento e amadurecimento da igreja; promoção do ensino da Palavra de Deus; estímulo para o surgimento de novos líderes; mobilização para os alunos chegarem ao ministério; fonte de avivamento espiritual; edificação da família cristã; agência educadora e transformadora; além de atender aos anseios da grande comissão; etc., etc.,. Se fôssemos destrinchar cada um desses pontos, não terminaríamos tão cedo e não é esta minha intenção.

Meu objetivo aqui, é fazer você meu caro(a) irmão(ã) refletir sobre a importância de se frequentar uma Escola Dominical. Muitos não tem acesso a seminários, então, a EBD ajuda bastante no seu crescimento espiritual, inclusive quando você está ministrando. Quero terminar voltando ao tema: Muitos obreiros ficam felizes quando ouvem uma frase assim: “Sua mensagem foi como uma espada hoje!!”. Na cabeça dele, ele pensa o seguinte... “Uau..., hoje a Palavra que eu preguei foi lá na divisão da alma e do espírito desse irmão”. Mas na verdade, o irmão quis dizer “...essa mensagem foi uma espada mesmo: comprida e chata!!!

Pense nisso.
- pr Robson-

domingo, 21 de fevereiro de 2010

AGENDA IBERO - 21 A 28/02/10

Além das programações normativas da Igreja Cristã Ibero-Americana, esta semana a gente tem uma programação extra: o Chá das Mulheres Up!
pode vir... Você é nossa (o) convidada (o)!

video

POR QUE EVANGELIZAR?


Em nossos dias ainda encontramos cristãos que se dignem a perguntar "por que evangelizar"? A resposta é simples: todo cristão, realmente nascido de novo, deve saber das suas responsabilidades na obra de evangelização, bem como estar a par de cada um dos imperativos que condicionam cada uma destas responsabilidades:

a)Porque é a vontade de Deus (ITm 2:3-4, II Pe3:9 e Is 6: 1-8);
b) Porque é uma ordem de Jesus (Mt 28: 19-20 e Mc 16:15);
c) Porque a Bíblia revela o valor e a condição das almas (Mc 8: 36-37 e Lc 15: 3-7);
d)Porque só o Evangelho pode salvar o perdido (Ez 3:17-19).

A partir daí, torna-se claro nosso compromisso em comunicar a mensagem do Evangelho. No entanto o problema que esbarramos é, justamente, como comunicar esta mensagem cristalina como ela é, dada a variedade de recursos para a utilização da comunicação num contexto midiático tão corrompido como o que temos e que traz à público tantos “evangelhos”? ou melhor, tantos “igrejismos”?

A comunicação é a principal ferramenta utilizada para a transmissão da mensagem do evangelho, e nós somos os protagonistas nesta ferramenta. Pensando nisso, a igreja brasileira, nos últimos anos, de forma ousada e criativa, tem se utilizado de meios diversos e sadios para o cumprimento do IDE em nossa Jerusalém e Samaria e a arte tem sido uma resposta eficaz.
A arte constantemente abre portas para um caminho onde o impossível não existe. Trabalhar a arte dá possibilidades de improvisar, transformar, ir além da superficialidade, entrelaçar conhecimentos, entrar no terreno criativo da condição humana e lá “derrubar” as muralhas que, por vezes, torna o ouvinte indisponível para a mensagem. Arte é a atividade humana ligada a manifestações de ordem estética, feita por artistas a partir de percepção, emoções e ideias, com o objetivo de estimular essas instâncias de consciência . Através da arte colocamos nossa alma visível para todos.

No terreno da evangelização, através da arte, há um leque de possibilidades, como pintura, escultura, drama (mímica, teatro convencional, estátua viva) arte circense, dança entre outras.
Temos trabalhado através da mímica ( pantomima), que é a arte de imitar, representar ou dar-se a entender por meio de gestos e atitudes. A mímica, neste caso, tem o papel de chamar a atenção das pessoas e a partir daí, apresentar a mensagem da salvação.

É importante lembrar que, na evangelização,a arte não tem o princípio, nem o fim em si mesma, mas há considerações.... (no próximo artigo)

Simone Ribeiro

AGORA É A VEZ DA EVANGELISTA SIMONE

Com a mesma satisfação, apresento agora uma nova integrante e escritora de nossos posts.
Aqueles que já visitam, e os que estão chegando para nos prestigiar têm muito mais a ganhar no IberoSampa!
A Evangelista Simone dispensa comentários, mas, vamos lá: Psicóloga clínica, Bel. Em Teologia pelo Betel Brasileiro, professora de carreira, professora de EBD, percussionista na Banda Ibero, ministra de jovens, líder do Semeart (ministério estratégico que se utiliza de teatro e danças), voluntária eventual na base de uma ag6encia missionária... Ufa! Ela é assim mesmo: Bombril!
Mas, o que mais chama a atenção mesmo é uma característica cada vez mais rara em nossos dias: ela é serva!
Seja bem-vinda Ev. Simone, ao maravilhoso mundo dos blogueiros cristãos!

Aos leitores: Desfrutem, saboreiem e façam bom uso de seus posts.

pr Aécio

sexta-feira, 19 de fevereiro de 2010

PORCARIA DE NOVELAS!


Este post vem de uma publicação do CACP (de meus amigos Pb Paulo Cristiano e Pr João Flávio Martinez). Passei lá e pesquei!
A matéria fala por si e mesmo que a Globo tente explicar o inexplicável o fato é que os horários da TV seriam muito mais nobres sem suas novelas (e das outras emissoras também)!

------------------------------

A rádio Jovem Pan, conhecida por colocar no ar campanhas polêmicas, lançou na semana passada um editorial contra "novelas do horário nobre". O texto diz que "a liberdade de expressão passa por desvios escabrosos no mundo moderno... A fidelidade morreu".
"Enquanto na Venezuela se lacram canais de TV, aqui a disputa de audiência coloca no ar uma libertinagem que agride a família brasileira",diz o editorial, que continua: "a devassidão está escancarada".
A rádio não fala o nome da trama, mas dá exemplos de cenas: "A fidelidade morreu. Em cena de café da manhã, a filha sai do quarto com o namorado e se assenta à mesa, na mais absoluta naturalidade. Ali, na outra cena, amigas planejam outro lance de traição e torpeza."
A novela das oito da Globo, "Viver a Vida", mostra a infidelidade principalmente com o casal... Gustavo (Marcello Airoldi) e Betina (Letícia Spiller). E Betina costuma falar com a amiga Ingrid (Natália do Valle) sobre a intenção de trair o marido.Na trama também há namorados que tomam café com a família após dormirem juntos, em especial Miguel (Mateus Solano) e Renata (Bárbara Paz).
Procurada, a Central Globo de Comunicação afirmou que "a novela é uma obra de ficção, que não tem compromisso com a realidade". A emissora defende que "ao recriar livremente situações, problemas e dilemas de nosso dia a dia, a teledramaturgia busca apenas tecer o pano de fundo para histórias que, na verdade, discutem os sentimentos humanos: amor, amizade, compaixão, vaidade, ódio, inveja... Esta é a sua função (social): entreter, permitindo que nos identifiquemos com tramas, personagens etc., estimulando assim a reflexão sobre nossos valores, crenças, atitudes e comportamentos."

A Globo diz ter "convicção de que a abordagem de temas de interesse social nas novelas contribui com a mobilização da sociedade". "Muitas vezes esses assuntos acabam até por ganhar a pauta de veículos de comunicação em todo o país, potencializando o debate e a busca de soluções. São diversos os exemplos do impacto do merchandising social nas novelas."

Fonte: Folha de São Paulo

FIM DO HORÁRIO DE VERÃO

O horário de verão que começou à 0h do dia 18 de outubro nas regiões Sul, Sudeste e Centro-Oeste do País e terminará à 0h do dia 21 de fevereiro de 2010 - os relógios deverão ser atrasados em 1 (uma) hora.
Desde o ano passado, a hora de verão passou a ter um período definido de início e término. 
O decreto 6.558, de 8 de dezembro de 2008, determinou que deve começar sempre no terceiro domingo de outubro e, pelo decreto, se encerrar no terceiro domingo de fevereiro.

QUAL A IMPORTÂNCIA DE OLHAR PARA TRÁS, SE NOSSO MUNDO OLHA PARA O FUTURO?


Embutido nesta pergunta, há um princípio muito claro baseado nas Escrituras: “lembra de onde caíste e arrepende-te” (Ap 2.5). É o versículo que me vem à mente quando olho para a Escola Dominical em nossas igrejas e vejo o quão desprezada ela é.
Em uma sociedade futurista, que vive na busca pela novidade, que se traduz em Ipods, tecnologias 3G, Netbooks, etc. Onde o futuro nos é empurrado goela abaixo, faz-se necessário que o cristão olhe, não somente para a frente, com os desafios e rumos à qual esta sociedade e tudo o que a envolve está tomando, mas urgentemente para o passado. Talvez você ache estranho o que eu estou dizendo, mas digo “passado” porque para nós cristãos, que somos ensinados sempre a olhar para a frente, é difícil ter que nos voltar para o que passou, para o tempo em que nem eu nem você éramos nascidos e ter que aprender com a história. Tempos estes que têm mais a nos ensinar do que possamos perceber.
Ao observar esse princípio - e eu me refiro à Escola Dominical quando foi idealizada e colocada em prática pelos irmãos no século XVIII - vejo o quão distantes estamos daqueles ideais. Ideais de ver uma igreja crescer (não inchar); sendo alimentada pela genuína Palavra de Deus (o leite puro); cumprindo seu papel de evangelizadora. Me desculpe ter que contrariá-lo por hora, mas nós só estamos vendo todas estas doutrinas e ensinos distorcidos, a disseminação de igrejas planetárias, porque justamente a igreja abandonou a Escola Bíblia Dominical. Faço um desafio a você: você acha que, se estas igrejas optassem por colocar EBD em suas agendas seus templos estariam explodindo de gente? Não precisa responder, só pela sua reação já deduzo a resposta. Aí surge uma pergunta: o que tem a ver isso com Escola Dominical? Como reza a célebre frase “...elementar meu caro Watson!”, porque não se tem conhecimento das Escrituras e muito menos da história da igreja. Devido a esse fato, não há como saber que nada disso é novo, outros já tentaram implantar ensinos heréticos e foram rechaçados pelos primeiros cristãos. Ah! Se conhecêssemos a história dos anabatistas e suas reformas radicais; John Knox e sua constante luta contra a apostasia na coroa britânica (como um Elias contra a casa de Acabe), isso para ficar apenas no início da era protestante, enfim, há inúmeros relatos que hoje serviriam para deixar muitos pastores e obreiros corados de vergonha.

As Escrituras sempre nos lembra de olharmos para trás. Deus fez isso o tempo todo com o povo Israel, sempre os lembrando de onde os tirou, e o que Ele fez por eles no deserto. Em um mundo pluralista, cheio de pseudo-verdades, informações, é difícil manter o foco em uma única coisa. Então, que tal se nós nos focarmos no aprendizado da Bíblia, esse Livro tão antigo, mas que nunca se fez tão necessário Seu conhecimento para se chegar ao futuro.

- Pr. Robson -

ESTRÉIA DO PASTOR ROBSON


É com muito prazer que apresento o mais novo integrante e escritor de posts ao pessoal que visita o IberoSampa: o Pr. Robson.
As credenciais vão além de músico, Bel. em Teologia pelo Betel Brasileiro e estudante de Filosofia na Metodista. O pastor Robson é um obreiro dedicadíssimo na Igreja Cristã Ibero-Americana e um amigo pessoal de longa data.
Como músico "comanda" a banda oficial da Ibero há mais de uma década. Mas não é só a música que lhe interessa nos músicos que acolhe, discipula e conduz: prefere a vida e o testemunho.
Amante da Palavra, o referido pastor atua bravamente como professor e superintendente de nossa Escola Bíblica Dominical. Suas aulas são requintadas, interativas, profundas e cheias de surpresas - ele é muito criativo.
Seja bem-vindo pastor Robson, ao maravilhoso mundo dos blogueiros cristãos!

Aos leitores: Desfrutem, saboreiem e façam bom uso de seus posts.

pr Aécio

quinta-feira, 18 de fevereiro de 2010

UM “P”, TRÊS PALAVRA: POLÍTICA, PODER E PODRIDÃO


Estava na fila do supermercado quando vi a capa de uma revista trazendo a imagem do governador do Distrito federal, ainda preso “confortavelmente” na Polícia Federal. Por mera curiosidade peguei um exemplar da revista e li toda a matéria referente ao caso – quanta nojeira. Na verdade a gente sabe que o espaço ficará pequeno se colocar todos os supostamente envolvidos no esquemão, lá na sala onde o governador licenciado está!
Quanta bandidagem praticada por aqueles que deveriam ser os defensores de nossos direitos, nossos protetores! Nossas defesa e proteção são muitas vezes exercidas pelos nossos maiores inimigos... Eles querem nos devorar! Socorro!
Só sei que desde o começo do reboliço envolvendo o tal político de Brasília, lembrei que não era a primeira vez que o tal se metia em situações que denunciavam de modo gritante sua estirpe, sua laia e sua praia. Isto não é julgamento, é lógica! O episódio que puxei na memória foi o da violação do painel de votação (confira aqui), ocasião em que o espertalhão primeiro negou e depois confessou a culpa, mas renunciou para não perder os direitos políticos... Tsc, tsc, tsc... Ah, “muleque”!

Diante disto - e mais uma vez -  peço uma coisa ao povão tupiniquim: Na hora de votar saiba usar este poderoso recurso para varrer esta raça ruim do mapa! A culpa de estes caras estarem lá é nossa... Só nossa! Não vote em ninguém (nem em pastor, bispo, apóstolo ou missionário) que você não possa confiar ou que não vá trazer nenhum benefício para seu bairro, cidade, estado ou país! Se preciso for, e para não incorrer no risco de eleger um bandido ou um “zé mané” qualquer (lembre-se que muitos candidatos mal sabem se comunicar e mal conseguem resolver seus problemas pessoais), eleja alguém que você confia muito para lhe dar uma ajudinha na hora de escolher aquele que vai levar sua “medalha”. Preste atenção nos noticiários políticos. Procure relembrar fatos ou momentos políticos, como os que citei acima. Pesquise em sites especializados (http://www.transparencia.org.br/ / http://www.excelencias.org.br/ e outros) sobre a vida pública destes homens; o que fazem e como conduzem seus cargos. Lembre-se que muitos deles só estão ali em busca de status e famintos por dinheiro.

Mas, mais que tudo gente: Procure ter em mente que a política, para muitos não passa de um meio para obter poder e desfrute das benesses que os cargos eletivos oferecem. Considere que há muita gente boa nas mais distintas funções legislativas, pessoas realmente vocacionadas para a política. No entanto, há um sem número de aproveitadores que usam e abusam do expediente do voto e da boa fé dos eleitores só para praticar e esconder sua podridão moral, seu mal caráter! – pr Aécio

DIVULGAÇÃO

Sábado agora às 19hs (dia 20) a Ibero vai exalar Missões! Você é nosso convidado especial.
Um evento missionário cheio de surpresas! Venha nos prestigiar!
Contatos: igiberoamericana@hotmail.com ou clicando no ícone do envelopinho na barra ao lado!

E no próximo sabadão às 15hs (27/02) é o dia do Ministério de Mulheres (Mulheres Up!) arrebentar!
Fazendo o que elas sabem fazer como ninguém, realizarão um Chá para promover ainda mais a comunhão e a amizade entre as mulheres - mas homens poderão entrar também neste dia!
O convite está aí embaixo!


O BÊBADO E O TAXISTA

“Um dos meus clientes é pastor como você, e sempre que vou apanhá-lo já entra no taxi bêbado!”. Foi assim que o taxista iniciou o (inevitável) assunto sobre religião comigo há dois dias.
Sempre que alguém fala sobre um escândalo, um vexame ou outra “peripécia” qualquer protagonizada por algum brother, respondo: “Tá na Bíblia! Jesus mesmo falou sobre isto!”. Acho que na maioria das vezes isto funciona como uma espécie de analgésico.
Houve um tempo em que estas perguntas e questionamentos eram raras. Percebo que estão se tornando mais freqüentes (e mais feias).
Tenho várias linhas de pensamentos para tentar desvendar os mistérios que envolvem o aumento na demanda de escândalos made in church:

a) Às vezes penso que é proporcional ao crescimento numérico;
b) Talvez seja por que há uma maior intolerância religiosa;
c) Pode ser pelo motivo da rapidez e multiplicidade das mídias;
d) Outras vezes penso que é mera especulação e polêmica mesmo;
e) Tá na cara que tem muito sem vergonha deitando e rolando em nome da fé;
f) A Bíblia já se antecipou (vide comentário acima);
g) O inimigo “está furioso” (este reconheço que é tosco mesmo!);
h) O poder e o dinheiro corrompem cada vez mais;
i) Vai chegar a hora que Deus vai dar um basta nos magnatas donos das “emprejas”;
j) Meu papel é orar.
   Etc.

A despeito de quaisquer questionamentos e pensamentos, sempre fico pensando em quem mais é prejudicado ao presenciar um desses deslizes evangelicóides. Certamente que os promotores dos fatos sairão ao menos chamuscados de um jeito ou de outro. Porém, meu lamento nem é por para eles. Acho que cada um tem mais é que dar conta de sua estupidez e pagar cada centavo diante da justiça de Deus e, se necessário for, da justiça dos homens – sinceramente não tenho um pingo de dó daqueles cristãos que são punidos com cadeia e/ou outras penas em conseqüência de ilícitos que praticam (lamento apenas pelos nossos irmãos que sofrem punições por causa da fé em Cristo, como naqueles lugares em que há perseguição).

Meu lamento mesmo é por aqueles que acabam julgando todos os crentes a partir do mau testemunho inconseqüente daqueles que até podem ter um bom discurso, mas não têm compromisso com a santidade – como inúmeros pastores e demais líderes adúlteros, usurpadores, mercenários, etc. Lamento por aqueles que serão impedidos de crer e de conhecer o amor de Deus por causa de crentes desonestos, maliciosos, imorais, violentos, etc. Lamento por saber que para aquele taxista, pastor não é apenas um modelo de fé e lealdade à Palavra de Deus... Pastor também pode ser apenas mais um bêbado!

"Mas ai de vós... hipócritas! Pois que fechais aos homens o reino dos céus; e nem vós entrais nem deixais entrar aos que estão entrando."  -  Mateus 23.13
- pr Aécio -

sexta-feira, 12 de fevereiro de 2010

ANTES, DURANTE E DEPOIS DO CARNAVAL



Há muito que se comentar sobre o período do Carnaval. Haja visto que se trata de uma data que já está cristalizada na cultura brasileira de tal maneira que enquanto o Brasil existir, vai existir Carnaval. Isto é ponto pacífico!
Apesar de detestar desde sempre a referida festa – por convicções muito particulares – não sei se ficar discutindo quanto a postura da Igreja (ou das igrejas) neste período é a melhor postura (redundância proposital). Confesso que já fui mais ferrenho, quanto a maneira (ou maneiras) como as igrejas e, conseqüentemente, os crentes agem e reagem neste período. Há quem opte por aproveitar o momento para deflagrar uma estratégia de evangelização, o que é uma excelente idéia, desde que seja bem planejada, como manda o figurino. Outros preferem usar estes dias para curtir com a família – feriadão, praia, campo, pacotão turístico... ‘Se sabe , né?!

Enquanto os foliões querem mais é cair de boca na folia (e orgias), muitas igrejas desaparecem do circuito e vão para os já sacramentados retiros, acampamentos ou outro evento qualquer, com o intuito de promover comunhão, ou por mero lazer mesmo.
A ala mais conservadora se neutraliza, fazendo de conta que não está acontecendo nada. “Não é porque chegou o Carnaval que vamos mudar nossa agenda!”, dizem. Então, fazem o possível para não dar a mínima aos espalhafatos carnavalescos à sua volta... Não sei se conseguem, afinal, é difícil ignorar uma coisa monstruosa (e perigosa) com o tal do Carnaval no Brasil.
A propósito, a despeito das posturas, posições ou pontos de vista dos crentes e igrejas, hoje em dia consolido o pensamento de que de nada adianta a gente ficar esperneando, conjecturando, polemizando e discutindo um assunto que nunca vai ser consenso entre nós – como centenas de outros que jamais serão consenso, dado ao tamanho do buraco e das barreiras que dividem os cristãos evangélicos. Infelizmente, o que acontece é que o Carnaval que já se perpetuou em nosso calendário, e continuará sendo comemorado apesar de nosso repúdio, também acabou se tornando mais uma pedra de tropeço e de contenda, como se já não bastasse nossas coleções de pedras e rochas de tropeços!
Deixemos, pois, as discussões acaloradas de lado e pensemos no fato de que, independente do Carnaval com toda a sua luxúria e nefastos desdobramentos, somos povo de Deus antes durante e depois! Soou meio “crentona” a última frase, mas é isso aí: Com ou sem Carnaval sejamos “a geração eleita, o sacerdócio real, a nação santa, o povo adquirido”. Com ou sem Carnaval, na cidade, na praia ou no campo continuemos a fazer a diferença, por que sal é sal e luz é sempre luz aqui, ali ou acolá! Afinal, três ou quatro dias de folia não podem estragar uma eternidade de alegria! – pr Aécio

quinta-feira, 11 de fevereiro de 2010

IGREJA VERSÃO 2.0

A igreja versão 2.0 é guiada por modelos empresariais, construídos sobre fundamentos psicológicos e sociológicos, em vez de ser guiada por um modelo bíblico a partir de Cristo como o Bom Pastor.
Não somente Deus e o cristão, mas a igreja também tem passado por um upgrade em sua natureza, mas, à semelhança dos efeitos do upgrade de um famoso sistema operacional para seus usuários, os resultados deste upgrade eclesiástico têm trazido enormes prejuízos ao reino de Deus, pois a igreja que temos hoje se distancia em larga escala de seus objetivos bíblicos.

Neste upgrade temos igrejas se organizando com requintes de uma empresa a tal ponto de chegar a propor honorários pastorais a partir de um índice de produtividade, como se lidar com vidas pode ser quantificado e mensurado. A comunhão é substituída pela produção, a igreja como corpo vivo de Cristo se transforma em mailing list, o mundo perdido em clientela ou mercado, a conversão em adesão, as bênçãos em produtos simbólicos ou bens religiosos, a fidelidade a Deus em satisfação ou bem estar pessoal, os pastores em empreendedores, a celebração e o culto em show e performance.

A igreja versão 2.0 enfoca sistemas de organização em vez de enfocar a comunidade, uma filosofia fabril com performance na produtividade no lugar de investimento em vidas e no processo de crescimento pessoal. Focaliza o disponível no caixa e as obras materiais que podem ser realizadas, em vez de investir em vidas, em vocações.
Pessoas são trocadas por programas, relacionamentos por tarefas que precisam ser cumpridas, o encorajamento e o provisionamento de vidas é substituído pela produtividade para que os propósitos sejam alcançados custe o que custar. Os relatórios são repletos de números, estatísticas, atividades, em vez de mostrar como estão sendo nutridas as vidas. As vidas como modelo e promotoras da própria publicidade do evangelho e da igreja são substituídas pela promoção e marketing voltados à produção de demandas e necessidades. A amizade e convivência, que deveriam gerar avenidas de comunicação, são trocadas por índices de produtividade.
Assim o gerente-pastor tem de tratar as pessoas como objetos, como mão de obra, meios para atingir fins, ficar preocupado com o funcionamento de estruturas e sistemas em vez de cuidar de vidas e buscar o encorajamento do rebanho. O pastoreio, que originalmente é um ministério orientado para vidas, tem agora de ser orientado para o management. O pastor, que deve conhecer as pessoas pelo nome, buscando o seu crescimento, deve tratá-las como bens de produção focalizando programas que precisam ser cumpridos.
A igreja versão 2.0 é guiada por modelos empresariais, construídos sobre fundamentos psicológicos e sociológicos, em vez de ser guiada por um modelo bíblico a partir de Cristo como o Bom Pastor. A igreja foi transformada em atividade e isso se tornou um fim em si mesmo.
Não pense que estou desejando eliminar o senso de organização ou mesmo de realização para a igreja. Afinal a igreja é organismo e todo organismo deve ser organizado, mas a organização não é um fim em si mesma.

Texto de Lourençao Stélio Rega (teólogo, educador e escritor)
Extraído da Revista Eclésia - Edição 136 (COM DEVIDA AUTORIZAÇÃO)








-----
Agradecemos à revista Eclésia pela generosidade em autorizar a reprodução do presente texto. (pr Aécio)

quarta-feira, 10 de fevereiro de 2010

FLASH BACK 2

Releia a mensagem postada com o título: "OLHA ISSO!" de 26/02/10


*PARA ACESSAR O VÍDEO DEVERÁ IR ATÉ A POSTAGEM ANTERIOR
ATRAVÉS DO LINK ACIMA*

A referida postagem não é tão antiga, mas é tão intrigante! Por isso resolvi fazer um flash back dela... Afinal, a gente já ouvia falar de pastores nadando em dinheiro, mas surfando é a primeira vez!

Obs. 1: Aos irmãos que "ficam escandalizados" por causa das denúncias ou exposições destas ou de outras bizarrices um recado: Vamos parar de farisaísmo, gente! Está na cara que os não cristãos vão pensar que todo crente é tapado, que acredita e engole tudo o que acontece em nossos rincões!

Obs. 2: Todas as vezes que acharmos viável e oportuno criticar fatos, doutrinas, eventos e demais acontecimentos no meio evangélico, o faremos sem nenhum constrangimento ou dúvida, com o intuito de mostrar para a opinião pública que os flagrantes deslizes citados, mostrados ou comentados não são a regra, logo não expressam o estilo de vida característico dos crentes fiéis, nem contam com aprovação dos pastores que militam com seriedade e temor no santo ministério. - pr Aécio -

MUDE DE VIDA, NÃO DE IGREJA


Com um número cada vez maior de igrejas no Brasil e com uma variedade de doutrinas, modelos, liturgias e outras variantes, surge o crente ambulante. Acho que este novo tipo de crente é um estereótipo típico da onda desordenada de igrejas concentradas principalmente nas grandes metrópoles, que está causando este e muitos outros problemas.
Na igreja que pastoreio não é diferente (se algum pastor quiser compartilhar suas experiências escreva para nós), vários crentes ambulantes já passaram por lá e outros se transformaram nesta aberração (talvez preferiram ser a tal da “metamorfose ambulante”), iniciando suas jornadas assim que foram flagrados em atos reprováveis ou que tiveram de ser confrontados por causa de alguma falha de caráter.

A propósito, deixo claro que não há nenhum problema na transferência para outras comunidades ou igrejas, desde que seja um processo legítimo, transparente e sem danos para nenhum lado – nenhuma denominação, pastor ou igreja local são proprietários dos crentes. Há episódios em que a própria igreja provoca a saída de seus membros. Por exemplo, quando há escândalos na liderança ou algo semelhante; ou quando não há ambiente propício para crescimento e frutificação na vida cristã, etc. Também, pode ser que as pessoas discordem da visão no decorrer do tempo e procurem se enquadrar em outra comunidade que lhe agrade mais... Tudo dentro do normal, desde que seja feito na luz, com transparência e honestidade!

Mas, o que quero abordar mesmo é este trânsito inconseqüente, onde crentes de péssimo testemunho; pessoas inconversas; promotores de escândalos e outros da mesma estirpe saem de igreja em igreja em busca de ambientes onde possam “repousar” tranqüilos. Isto é, até que venham à luz suas práticas abomináveis, quando reiniciam a procura por outro lugar. Isto sim é preocupante. Mais preocupante ainda é essa famigerada (e desleal) concorrência entre as igrejas (até mesmo de congregações da mesma denominação) onde os pastores contam as pessoas como se conta gado: Quanto mais gente melhor! Aí sim, é que “a porca torce o rabo” e o problema se agiganta! Neste ponto quero reclamar a ausência de critérios na recepção daqueles que chegam e são recebidos nas igrejas evangélicas com tapete vermelho (com ofertas de cargos, por exemplo) quando deveriam ser recebidos com certas reservas e cautela, afinal, nem sempre as histórias contadas por tais pessoas são a mais pura verdade!
Diante do exposto, meu pedido aos pastores (em especial os da minha região): Prestem mais atenção nos ambulantes que transitam em seus arraiais! Crentes ambulantes: Convertam-se, aquietem o facho e mudem de vida, não de igreja! - pr Aécio

segunda-feira, 8 de fevereiro de 2010

DENTE VIRA OURO, CRENTE VIRA BOBO

Acessei o Blog Genizah (veja aqui) e assisti a um vídeo que me deixou (mais) contrariado com esta crescente onda de “burrificação” espiritual de pessoas que dizem crer em Jesus e na Bíblia. É impressionante a facilidade com que crentes modernos caem nas armações daqueles que tenho chamado de vendedores de ilusões; pregadores mambembes (com todo respeito à arte mambembe); parlapatões mal intencionados; mercadejadores do Evangelho e outros termos propositadamente não menos pejorativos – que para eles são até elogios diante de suas práticas ridículas e abomináveis!
O que para aquelas pessoas é fonte de esperança e inspiração, para estes indivíduos que perceberam que é fácil enricar às custas da fé do próximo é fonte de lucro, como bem profetizou o Apóstolo Paulo ao se referiu a esta raça perigosa e bandida de falsos obreiros: “...homens corruptos de entendimento, e privados da verdade...”.

Agora, o que a gente precisa mesmo é secar a fonte deste pessoal que já deu o que tinha que dar. Sem querer ser simplista, sugiro duas ações bem simples:

1. As pessoas que estão envolvidas com estes movimentos ou freqüentando igrejas que promovem estas práticas bizarras precisam consultar a Bíblia e verificar se há textos (no plural mesmo, i.é. vários textos, pois além das supostas revelações eles gostam de usar textos isolados, fora do contexto para ludibriar as “vítimas”) que sustentam o que dizem e pregam. Ao fazer isto, por si só verão que tudo não passa de armação, é verborréia da grossa. É golpe mesmo, nem é um problema para a Teologia, é caso de delegacia!
2. Os pastores, professores de seminários e Escolas Dominicais, conferencistas e outros ministros evangélicos sérios precisam começar a “bater” forte nestas ondas e neste picaretas porque estão achincalhando (quis escrever emporcalhando, mas dá no mesmo) e profanando tudo o que diz respeito à Igreja! Nós estamos virando motivo de piada! Tanto na internet, como em outras mídias, ímpios fazem piadas e cometem outras grosserias contra os evangélicos em geral, inspiradas nestes homens e mulheres que estão transformando a pregação numa grande piada mesmo!

A primeira vez que ouvi desta onda de “unção do dente de ouro” ou algo parecido foi na sede da Ass. Deus Madureira do bairro em que moro, confesso que fiquei assustado. Não, não fiquei assustado com o fato de “aparecer dente de ouro”. Também nunca duvidei de que Deus pode até encher a boca de um banguela de ouro, mas assustei com a facilidade com que os cristãos acreditam e ficam fascinados com estas ondas que nada acrescentam à santidade e compromisso com o Reino. Fiquei assustado pelo fascínio depositado sobre os que promovem este tipo de movimento, como se eles fosse ultra santos – e o pior é que eles gostam, não é? Outra coisa que quero deixar claro, é que não preciso fomentar o debate com os técnicos em “achismo”; não compactuo com os céticos ou críticos que não tem temor de Deus e não respeitam a Igreja; muito menos dependo de especulações científicas para pautar minha fé, mas este é um tipo de milagre do qual não faço a mínima questão! O que não quero mesmo é que, enquanto os dentes “viram ouro”, os crentes virem bobos! - pr Aécio

domingo, 7 de fevereiro de 2010

CADÊ O PASTOR?

Durante o feriadão, o pastor Aécio e sua esposa, Mara, ministrarão no acampamento anual da Igreja Presb. de Taiwan Santo Eterno.

AGENDA IBERO - 08 A 14 DE FEVEREIRO DE 2010

Mora na Zona leste em Sampa e não conhece a Ibero ainda?! Que mico!
Olha o que você está perdendo:

video

Veja como chegar no mapinha abaixo:


Exibir mapa ampliado

sexta-feira, 5 de fevereiro de 2010

quinta-feira, 4 de fevereiro de 2010

FALANDO DE MISSÕES


O texto a seguir é a introdução de uma das matérias ministradas pelo pastor Aécio em seminários, simpósios e conferências missionárias. O tema é “IGREJA LOCAL E MISSÕES A IMPORTÂNCIA DAS AÇÕES LOCAIS PARA O ALCANCE MUNDIAL”

A Igreja evangélica brasileira tem experimentado um crescimento sem precedentes nos últimos 30 anos, aproximadamente. Entretanto, tal crescimento ainda não tem sido suficiente para a conscientização de sua tarefa e conseqüente mobilização para a “Grande Comissão”. Esta afirmação pode ser facilmente constatada ao consultarmos os dados estatísticos que mostram as ações missionárias dentro e fora do país. Dentre outros os exemplos que mais chocam são: Número insignificante de missionários transculturais, proporcionalmente ao número de membros das igrejas; investimento irrisório em missões, comparativamente aos demais investimentos e gastos; baixo envolvimento dos crentes, principalmente das lideranças em eventos de cunho missionário.
O poeta disse “no meio do caminho tinha uma pedra”. O missionário diz “no meio do caminho tem uma igreja”! É isso, a igreja local se torna uma pedra (de tropeço) no meio o caminho, quando não cumpre seu devido papel no âmbito de missões.
Ao longo dos anos aprendi pelas observações, pesquisas e experiências que independente do tamanho ou da estrutura, qualquer igreja local pode contribuir significativamente para o avanço mundial do Evangelho. Isto é possível através de ações simples, porém efetivas, que possibilitarão resultados surpreendentes.
Estas ações podem ser iniciadas com a conscientização e a mobilização dos crentes. Devem ser implementadas com a captação e a aplicação de recursos. Precisa contemplar o despertamento e treinamento dos vocacionados. Por fim, faz-se necessário garantir o envio dos missionários, sustentando-os dignamente – isto é plenamente possível através de parcerias, caso a igreja não tenha muitos recursos.
Mesmo que algumas igrejas não achem tão fácil assim fazer missões, isto não reduz sua responsabilidade. Não devemos nos ater tampouco aos aspectos funcionais das ações missionárias, visto que existe uma ordem para alcançar as nações. Nossa parte e a mais importante é OBEDECER A ESTA ORDEM... O resto é conseqüência!

- pr AÉCIO -

quarta-feira, 3 de fevereiro de 2010

BAIXARIAS BANAIS BRASILEIRAS ATINGEM A ACOMPANHADOS E SOLITÁRIOS, NA CIDADE OU NA FAZENDA

O interesse por futilidades aumenta a cada dia em terras tupiniquins, e se espalha feito uma epidemia através das aberrações que ficaram conhecidas como reality show – só sendo muito besta para achar que existe reality onde só o que interessa mesmo é o show. Todo mundo sabe que as pessoas envolvidas nestas produções televisivas estão ensandecidas e “enfeitiçadas” pelas cifras, pelo dinheiro mesmo.
Mesmo sabendo disto e enojado antecipadamente, esforcei-me além do que minha sensatez permite e fiz questão de assistir um pouco de três deles – um episódio de cada: BBB, Solitários e A Fazenda. Haja estômago! Quanta bobagem! Quanta irracionalidade! Quanta imoralidade! Quanta hipocrisia! Quanta perversidade! Quanta desonestidade! Quanta ganância!... Tudo que a gente possa imaginar de degeneração de caráter está ali, explícito, pra todo mundo ver. Palavrões que são entrecortados com o conhecido “piii” mostram o nível de pessoas que depois passam a ser cortejadas e tidas como cults; cenas de sugestões eróticas e até indução ao sadismo mostram que homens e mulheres estão dispostos a descer aos porões da moral em nome da fama e do dinheiro.

Dar uma “espiadinha” nestes programas que não trazem nenhuma proposta de entretenimento sadio, e que a família não pode assistir sem o receio de ser invadida e agredida nos valores mais básicos, tais como respeito, dignidade, educação, gentileza, etc., por exemplo, é um convite no mínimo mal intencionado. Em geral, a análise que faço daquilo que vi e ouvi nos referidos programas é a seguinte: O que para muitos é entretenimento, para mim é um claro atentado ao que a gente pode chamar de bom senso. Além do mais, concluí que assistir aos realyties shows é ainda uma perda de tempo, por que nada acrescenta de bom aos telespectadores, em nenhum aspecto! Não há nada que justifique ou favoreça a audiência destes programas, a não ser a mera e mesquinha cultura de cuidar da vida alheia... Deplorável! Aliás, falando em perder ou ganhar, só lucram mesmo as emissoras, os patrocinadores e os finalistas vencedores... Quem assiste não ganha nada, pelo contrário, só perde!
- pr Aécio -

terça-feira, 2 de fevereiro de 2010

MULTIDÕES, E DAÍ?



Todos os dias acrescentam-se inúmeras pessoas nos cadastros de membros das igrejas. Todas estão em busca de algo que só elas mesmas podem explicar. Existem aquelas que realmente foram convencidas pela pregação e receberam a salvação mediante a fé no Nome de Jesus, porém, há muita gente que nem sabe explicar porque foi parar dentro de uma igreja, movimento evangélico ou algo similar!
Verdadeiras multidões impressionam a mídia e corroboram o moderno fenômeno das grandes concentrações evangélicas em eventos e mega templos. Entretanto, este fator isoladamente, é incapaz de nos convencer de que há um maior interesse pelo Evangelho no Brasil, como se todos ali estivessem decididos a abandonar sua vida pecaminosa, sua velha religião ou se converter de fato.
Pode parecer que isto é uma balde de água fria nesta onda de evangelicalismo de consumo (e é), mas, mais que isto: é um alerta para aquelas igrejas e ministérios que estão demasiadamente preocupadas com números, contudo, insistem em uma postura relaxadas quanto ao cuidado de certificar-se se as pessoas realmente compreenderam e creram na Mensagem; se foram discipuladas e conscientemente batizadas. Importante ainda é se elas obtiveram a noção de que a igreja é Corpo de Cristo, não uma fábrica de ilusões.

Como pregador do Evangelho declaro que é frustrante e decepcionante ouvir repetidamente outros pregadores usando artifícios dos mais estúpidos aos mais sórdidos, na tentativa de atrair multidões até suas “reuniões”. Depois, ficam se gabando dos milhares de incautos que ouviram e viram de tudo um pouco, porém, nada receberam do Evangelho.
Fico angustiado quando vejo as pessoas com garrafas de “água ungida” e outras quinquilharias que a mim só fazem recordar das diabólicas indulgências que mancharam ainda mais a história do Catolicismo Romano no passado. Tais produtos, muitas vezes adquiridos naquilo que chamei de grandes concentrações, bem como as mensagens dos seus mentores, podem encher nossos olhos por causa das multidões ávidas pelas supostas bençãos prometidas. Todavia, podem contribuir com maior eficácia para encher ainda mais o inferno com as grandes multidões enganadas por aquilo que não pode lhes revelar a graça de Deus, nem levá-las para o céu!

segunda-feira, 1 de fevereiro de 2010